O melhor sorvete da Alemanha

6 Set

Foto: Luisa Frey

Estes dias, pulou na minha timeline do Facebook o ranking das melhores sorveterias da Alemanha, segundo usuários do Tripadvisor. Para minha surpresa, o local favorito do público fica pertinho de casa: a Eislabor, em Bonn. Eu já conhecia a sorveteria e sua reputação, mas o prêmio e os dias de calor me estimularam a visitar o pequeno “laboratório do sorvete”, como diz o nome em alemão, várias vezes nas últimas semanas.

Num sábado de sol, a fila começava a vários metros da entrada da sorveteria. Nela, não há mesas e cadeiras ou infinitos sabores de sorvete decorados com frutas exóticas. Há apenas uma vitrine com 12 tipos da delícia gelada— os quais variam a cada dia. Até agora, os meus favoritos foram damasco e maçã. São impressionantes a consistência cremosa e o gosto puro da fruta dos sorbets.

Dos com leite, amei o de café, que sempre foi meu sabor favorito, mas ultimamente vinha me decepcionando por ser oferecido por muitas sorveterias apenas nas variações cappuccino ou mocha, doces demais. Na Eislabor, também são excelentes o tradicional sorvete de baunilha, da variedade Taiti, e o inédito para mim de abacate. Dos sorbets, ainda provei laranja com hortelã e Heidelbeer, uma espécie de mirtilo.

Foto: Luisa Frey

Estou torcendo para das próximas vezes encontrar sabores como romã, figo, Spekulatius ou caipirinha, que também fazem parte do catálogo da Eislabor. Dá para ver no site da sorveteria quais variações são oferecidas no dia em cada uma das duas unidades em Bonn.

Mas afinal, por que o sorvete do pequeno laboratório é tão especial? Há tantas sorveterias de italianos na Alemanha, que deveriam ser excelentes considerando a fama das gelaterie. Eu mesma já provei várias sorveterias italianas, em terras alemãs ou italianas, mas a Eislabor tem algo de especial.

A diferença talvez seja que na Eislabor só entram ingredientes frescos e naturais, nada de corantes ou aromatizantes artificiais. A sorveteria tem na porta o selo Slow Food, o que significa que a produção se baseia em três princípios: boa (comida de qualidade, saborosa e saudável), limpa (não prejudica o meio ambiente) e justa (preços acessíveis para o consumidor e condições e salário justos para os produtores).

Foto: Luisa Frey De nada valeria tal filosofia se o sorvete não fosse realmente bom e barato — de 1 a 1,30 euro a bola, dependendo do sabor. Não é à toa que o pequeno lugar atrai tanta gente — que não se importa de sentar em bancos improvisados do outro lado da rua ou aguardar na longa fila — e foi eleito a melhor sorveteria da Alemanha.

Origens do sorvete

Como curiosidade, eis um trecho do meu livro Ao gosto de Veneza sobre a história do sorvete:

“Uma espécie de sorbet — sorvete feito unicamente com suco de frutas e açúcar — já era apreciada pelos romanos e na Europa Setentrional em 500 a.C., misturando-se neve ao vinho. Mas foram os chineses, por volta de 500 d.C., que ‘encontraram uma maneira de conservar os sucos de frutas endurecidos, numa temperatura próxima a 0°C, com o auxílio das propriedades gelatinosas de algas marinhas’, afirma Maria Lucia Gomensoro no Pequeno Dicionário de Gastronomia.

A técnica foi levada à Pérsia e daí para os árabes, que a introduziram na Sicília, no século 15. A mistura difundiu-se, então, na França e pelo resto da Europa. Dois séculos mais tarde, os sicilianos começaram a misturar leite e creme de leite ao gelado e, nos anos 1700, nasceria em Palermo a primeira sorveteira comercial.”

Curiosamente, hoje países frios, como Finlândia, Suécia e Alemanha, estão entre os maiores consumidores de sorvete do mundo.

Anúncios

Strawberry Banana Bread

27 Ago

Foto: Luisa FreySempre que volto à cozinha depois de um tempo longe dela, excluindo as saladinhas e macarronadas do dia a dia, me lembro de como colocar a mão na massa me faz bem. Fazer bolos e biscoitos é uma verdadeira terapia para mim.

Foi com eles que comecei a me aventurar no universo da culinária, por volta dos 12 anos de idade. Primeiro vieram os bolos de caixinha, e aos poucos fui explorando receitas de livros e de família, como os biscoitinhos de Natal da minha vó, os quais eu ajudava a preparar desde pequena.

Desta vez, tudo começou com duas bananas maduras e morangos na geladeira e com um banana bread que pulou na minha timeline do Instagram. Fui, então, buscar uma receita que usasse os ingredientes que eu tinha em casa e acabei adaptando uma de muffin.

O bolo levou um pouco mais de tempo para assar do que os muffins, mas ficou ótimo. Fofinho e bem leve. O gosto de banana predominou, e talvez da próxima vez eu coloque mais morangos, gotas de chocolate ou nozes. Para quem gosta de canela, acho que também poderia colocar um pouco mais. Já aprendi que cozinha é assim mesmo: quanto mais prática, maior a capacidade de improvisar e melhor o cozinheiro.

Strawberry Banana Bread

Ingredientes:

  • 1/2 xícara (cerca de 110 g) de manteiga sem sal, derretida
  • 2 ovos grandes batidos
  • 1 colher de chá de essência de baunilha teaspoon
  • 2 bananas grandes amassadas
  • 1 xícara de morangos picados
  • 2 1/4 xícaras de farinha de trigo
  • 3/4 de xícara de açúcar (a receita original indica mascavo)
  • 1 1/2 colher de chá de fermento em pó
  • 1/4 colher de chá de bicarbonato de sódio
  • 1 colher de chá de canela em pó
  • 1/2 colher de chá de sal

Modo de preparo:

Pré-aqueça o forno a 180 graus Celsius. Derreta a manteiga e deixe esfriar um pouco. Numa tigela, misture os ovos, a essência de baunilha e as bananas amassadas. Acrescente a manteiga e misture. Em outra tigela, misture a farinha, o açúcar, o fermento e o bicarbonato peneirados, a canela e o sal. Acrescente com cuidado os morangos, certificando-se de que ficam cobertos de farinha, o que ajuda a impedir que eles afundem na massa. Acrescente os ingredientes líquidos aos secos e misture somente até que a massa esteja homogênea. Deposite numa fôrma de pão untada e enfarinha ou forradas com papel-manteiga. Ou, se preferir, em 12 fôrminhas de muffin. Asse até que um palito enfiado no centro saia seco. No caso do bolo, para mim levou uns 45 minutos. Deixe esfriar um pouco e desenforme.

Bolo saudável e sustentável

12 Abr

IMG_20150406_193239

Apfelstrudel, torta (especialmente a coberta, do tipo americana, que minha mãe faz), crumble, cuca ou bolo. Adoro doces com maçã. Estes dias me deu vontade de cozinhar algo com a fruta e encontrei uma receita na internet bem interessante: um bolo que, além de não levar nem manteiga nem óleo, aproveita as cascas de maçã.

Nos comentários da receita, todo mundo elogiava, dizendo que era incrível o quão fofo o bolo fica mesmo sem manteiga. Também segui dicas para substituir parte da farinha por aveia (coloquei meia xícara, na hora de bater no liquidificador) e parte do açúcar por açúcar mascavo, deixando o bolo ainda mais saudável.

Em vez de irem para o lixo, as cascas de maçã são batidas no liquidificador com os ovos e o açúcar, e é incrível como nem sua consistência nem sua cor vermelha se identificam depois na massa. E como todo bom doce que leva maçã, não poderia faltar canela – e eu caprichei na dose.

Super simples de fazer, o bolo ficou delicioso e muito leve. Ótimo tanto quentinho quanto frio no dia seguinte. Segue a receita, que já entrou para o caderno das favoritas.

Bolo de maçã com cascaIMG_20150406_180348

Ingredientes:

– 4 maçãs
– 2 xícaras de farinha de trigo
– 2 xícaras de açúcar
– 3 ovos
– 1 colher (sopa) de fermento químico em pó
– canela a gosto

Modo de preparo:

Descasque as maçãs e corte-as em cubinhos. Reserve com um pouco de canela e açúcar. Bata no liquidificador os ovos, as cascas das maçãs e o açúcar (coloquei meia xícara de mascavo e apenas uma do comum).

Numa tigela, coloque a farinha (usei meia xícara de aveia e uma e meia de farinha), o fermento e a mistura feita no liquidificador, juntamente com as maçãs picadas. Polvilhe com canela.

Coloque numa forma untada e enfarinhada e leve ao forno médio por 30 a 40 minutos.

IMG_20150406_192743

Cantuccini

29 Mar

IMG_20150214_082008Manteiga, baunilha, raspas de limão, amêndoas. Uma combinação infalível. Estes tempos testei uma receita clássica da Toscana: cantuccini. Molhados no chá, no café ou sequinhos mesmo, os biscoitos são simples e saborosos – assim como a culinária italiana em geral.

O nome do quitute deriva da palavra “canto” ou “cantellus”, que em latim significa pedaço ou fatia de pão. A massa é assada primeiro com o formato de pães compridos e achatados, que, depois de alguns minutos, são fatiados e devolvidos ao forno.

Segundo a Assocantuccini, a Associação de Produtores Toscanos de Cantuccini de Amêndoa, o biscoito surgiu na segunda metade do século 16, ainda sem conter amêndoas, e difundiu-se no século 18 em diversas variantes. No entanto, foi somente no século 20 que os biscoitos começaram a ser produzidos em toda a Toscana, em escala cada vez maior.

Apesar de típicos da Toscana, os cantuccini ou simplesmente cantucci também fazem parte do repertório do padeiro veneziano Giorgio Garbo. Entrevistei-o para meu livro Ao gosto de Veneza e ainda posso sentir o cheiro de seus quitutes pairando por entre as casinhas coloridas da ilhota de Burano. Sua estratégia é preparar os biscoitos nas horas de maior movimento. “Os turistas vêm à tarde e, se sentem o aroma do produto, é mais fácil que tenham vontade de mangiare un biscottino“, me disse.

Aliás, o método de assar os cantuccini duas vezes, como um grande pão e depois em fatias, remete à origem da própria palavra biscotto (bis=duas vezes; cotto=cozido). O resultado é crocante, o que faz dos cantuccini ideais para serem degustados como sobremesa, molhados em vin santo – vinho doce típico da Toscana.

Também há receitas de sobremesas do tipo pavê que levam cantuccini. Uma vez comi uma com mascarpone, amaretto e maçã que estava uma delícia. Aqui em casa, comemos a maior parte da fornada pura mesmo, e cada vez que a lata era aberta, ficava difícil pegar um só.

IMG_20150214_081752

Segue a receita que usei:

Ingredientes (para 40 biscoitos):

– 100g de amêndoas
– 250g de farinha de trigo
– 1 colher de chá de fermento em pó
– 150g de açúcar
– 1 pacotinho ou 1 colher de sopa de açúcar de baunilha
– 1 colher de chá de raspas de limão
– 1 pitada de sal
– 2 ovos
– 100 g de manteiga

Modo de preparo:

Se as amêndoas vierem com casca, colocá-las numa tigela e despejar água fervente por cima. A casca se soltará, então, facilmente (adorei!).

Misturar numa tigela a farinha, o fermento, o açúcar, o açúcar de baunilha, as raspas de limão, o sal e os ovos. Cortar a manteiga em cubos e acrescentar à mistura, junto com as amêndoas. Misturar com as mãos até a massa ficar homogênea. Se estiver muito grudenta, acrescente um pouco mais de farinha.

Pré-aquecer o forno a 180 ºC. Sobre uma superfície enfarinhada, fazer quatro grandes rolos com a massa e achatá-los de leve. Colocar os rolos sobre uma forma forrada com papel manteiga. Assar por cerca de 15 minutos.

Deixar os rolos esfriarem um pouco e cortá-los em fatias com cerca de 1 cm de espessura. Retornar as fatias à forma e assar por mais 10 minutos.

Jantar medieval na Letônia

1 Mar

Nossa ida a Riga, capital da Letônia, foi bem inusitada – graças a uma oferta de voo barata. E nossa primeira noite na cidade, a noite do meu aniversário, também foi surpreendente. Depois de descer na parada de ônibus errada, tivemos que caminhar um pouco mais do que o previsto para chegar ao hotel, no coração do centro histórico. Ainda estávamos meio perdidos pelas ruazinhas de paralelepípedo, quando passamos por uma casa de esquina. Pela janela, vimos um homem carrancudo com o rosto iluminado por velas.

Então, reparamos que a porta era enorme e de madeira e que, ao lado da casa, havia uma ruela com uma charrete, barris e bandeiras com brasões. Levamos um susto quando a porta rangeu, e o homem carrancudo nos encarou, como quem diz: “O que é que vocês estão olhando?”

Nosso hotel ficava a poucos passos dali, e ao pedirmos dicas de restaurantes para a recepcionista, logo sacamos a qual local ela estava se referindo ao falar num restaurante medieval. E lá fomos nós para uma comemoração de aniversário bem diferente.

No fim, aquilo não era um lugar de reunião de uma seita medieval, e o grandão vestido a caráter na porta era só o “host” do restaurante, chamado Rozengrals. Dessa vez, ele nos espiou pela portinhola antes de abrir a porta. Descemos as escadas rumo ao porão, onde uma atendente também com roupas medievais disse: “Mesa para dois? Go with the lady.”

Depois de caminharmos quase agachados por um túnel, chegamos a um salão abobadado com as paredes de pedra, iluminado quase que somente por velas e ao som de músicas medievais. Sentamos num banco com almofadas de veludo, e logo veio o garçom, que infelizmente falava bem inglês e não arriscou nenhuma palavra da Idade Média. Pedimos cerveja de mel, não filtrada, que veio numa linda taça de vidro, semelhante a um cálice. Gostei muito da suave doçura do mel, sem ser enjoativa.

Logo chegaram duas trouxinhas de pano com pães caseiros dentro. Eram fresquinhos, redondinhos e com linhaça, e eu não conseguia parar de comê-los antes de a comida chegar.

Estávamos encantados com o ambiente e com as descrições no cardápio e demoramos a nos decidir. Ainda bem que sempre concordamos em pedir dois pratos e dividirmos, porque assim posso provar duas coisas diferentes.

IMG_20150226_204220

Uma das escolhas foi vegetariana: abóbora assada com cogumelos e sour cream. A descrição no cardápio diz que, no século 12, de acordo com a “Lei de São Benedito”, todos os monges, com exceção dos muito doentes, eram proibidos de comer “a carne de animais com quatro patas”, mas vegetais eram sempre bem-vindos.

Como amo abóbora, sou suspeita para julgar o prato. A casca estava crocante, temperada com sal grosso; os cogumelos ao lado eram de um tipo que eu não conhecia, brancos e carnudos, e estavam bem temperados com alho. Um ramo de salsinha fresca e o sour cream formaram uma deliciosa combinação com a abóbora adocicada.

IMG_20150226_204133

A segunda pedida foi um ensopado de coelho com ameixas e damascos secos e pinoli. No cardápio não dizia, mas veio com lentilhas, trigo cozido e uma grande cabeça de alho assado, que não nos arriscamos a comer. Segundo o cardápio, a receita foi servida no casamento de Isabel da Baviera, no século 14, cuja festa foi “deslumbrante”.

O Celso não achou o sabor tão deslumbrante assim, mas eu achei bom. Gosto bastante de frutas secas e pinoli, e a combinação ficou interessante. O prato era grande, e não demos conta de comer tudo.

Como a fome já tinha acabado, mas eu queria muito uma sobremesa para adoçar o aniversário e prolongar nossa noite ali, pegamos a opção mais leve: sorbet de morango – “famosa receita do século 15 chamada de ‘Elizabeth delicada'”, diz o cardápio. Estava uma delícia, leve e refrescante, com folhas de menta como guarnição. Vamos ter que voltar para provar a torta de abóbora ou o sorvete de pistache sobre gelo.

IMG_20150226_211502IMG_20150226_212003

Ao retornar de Riga, descobri que o restaurante é um ponto turístico famoso. No Trip Advisor, a maioria das pessoas o avalia como excelente, falando num “banquete medieval com sabor único” e “em comida e ambiente excelentes”. Já uma crítica recente diz que o restaurante não merece todo o crédito dado a ele, chamando o ambiente e a comida de sem graça.

Como não havíamos lido nada a respeito, não tínhamos expectativa alguma, e a noite nos surpreendeu positivamente. Seja a experiência autêntica ou não, o que importa é que, para nós, o restaurante cumpriu sua proposta: realmente nos sentimos transportados para a Idade Média.

IMG_20150226_203227

Bolo de cenoura e amor

31 Jan

IMG_20150119_074714_editPara mim, cozinhar é uma maneira de me expressar, assim como escrever. Além de ser uma espécie de terapia, também é uma forma de demonstrar carinho. Adoro deixar alguém feliz e lambendo os beiços com algo que preparo. Desde adolescente, eu gostava de presentear amigos com bolachinhas caseiras, fazer um jantar para a família ou bolos de aniversário.

É ainda mais gostoso quando essa demonstração de afeto vem acompanhada da memória gustativa. Daquela sensação de estar comendo algo que te traz conforto, que lembra a infância, algum momento ou uma pessoa especial.

Para o Celso, bolo de cenoura é sinônimo de comfort food, de gosto de casa. Acho que antes de estarmos juntos, eu só o tinha feito uma vez, mas agora estou me aprimorando. Como não curto muito o gosto de óleo que se costuma usar para esse bolo, encontrei uma receita que o substitui por manteiga. E achei que ficou bem melhor.

Não poderia haver ocasião melhor do que o aniversário do Celso para me aventurar na receita novamente. Coloquei um toque de canela, escolhi fazer uma cobertura de chocolate amargo e usei amêndoas para decorar. A sujeira na cozinha foi recompensada pelo sorriso dele ao abrir a caixa na qual escondi o bolo – afinal, não deixa de ser um presente. E que gostoso vê-lo saborear e elogiar o quitute.

Modéstia à parte, ficou mesmo uma delícia. E não foi só o aniversariante que se deu bem; eu mesma degustei o bolo até o último pedaço.IMG_20150119_074944

Bolo de cenoura com manteiga

Ingredientes:

– 2 1/2 xícaras de farinha de trigo
– 1 colher de sopa de fermento em pó
– 1 1/2 xícara de açúcar
– 4 ovos
– 1/2 xícara de manteiga derretida
– 3 cenouras grandes
– 200 g de chocolate meio amargo

Modo de preparo:

Bata no liquidificador a manteiga, os ovos, as cenouras picadas em pequenos cubos e o açúcar. Coloque numa tigela, acrescente a farinha e o fermento (peneirado) e misture bem. Se quiser, acrescente uma colher de chá de canela. Coloque a massa numa forma untada e enfarinhada de 23 centímetros de diâmetro. Asse por cerca de 40 minutos em forno médio (180°C), até que um palito ou garfo saia seco. Para a calda, quebre o chocolate e derreta-o no banho-maria. Passe sobre o bolo ainda quente.

Se preferir, faça uma calda de brigadeiro mole. Outra opção é esquentar em fogo baixo açúcar (4 colheres de sopa), chocolate em pó (4 colheres de sopa), manteiga (1 colher de sopa) e água (4 colheres de sopa) até ganhar consistência, fazer furos com o garfo e derramar sobre o bolo.

IMG_20150117_194512-edit IMG_20150117_195720 IMG_20150117_195841 IMG_20150117_210839 IMG_20150117_214800_edit IMG_20150117_215036

Me dá um beliscão?

8 Nov

Quanto será que o que comemos em casa quando criança, o que nossos pais apreciam, influencia nosso gosto? Não posso deixar de pensar na minha mãe quando como goiabada e, mais ainda, biscoitinhos de goiabada. Ai que gostinho de Brasil e de casa… Desde a adolescência, fazer bolos e bolachas é um passatempo para mim. E hoje foi dia de experimentar uma nova receita: beliscão de goiabada.

A inspiração veio de um pote do doce cascão trazido de presente de uma amiga mineira e de uma fornada feita pela minha mãe estes dias, do outro lado do Atlântico. Como hoje as receitas não são mais transmitidas somente de geração para geração – apesar de que já fiz questão de aprender umas especialidades das minhas avós -, desta vez, a receita passada de mãe para filha veio da internet.

É bastante simples fazer esse quitute. A única dificuldade é fazer os biscoitos bonitinhos e uniformes! Na primeira fornada, saíram beliscões maiores; na segunda, menores e mais delicados. Mas até que o conjunto não ficou feio. E o gosto, então… Difícil comer um só! Uma ótima comfort food para um fim de semana frio, este beliscão não dói nadinha.

Ingredientes:

– 3 colheres de sopa de manteiga
– 3 ovos
– 6 colheres de sopa de açúcar
– 1 colher de chá de fermento em pó
– farinha até dar o ponto de abrir a massa
– goiabada

1. Misturar todos os ingredientes com as mãos. Pode parecer difícil assim, sem especificar a quantidade de farinha, mas é fácil encontrar o ponto. Eu fiz apenas um terço da receita, e rendeu cerca de 30 biscoitos.

2. Abrir a massa com o rolo sobre uma superfície enfarinhada.

3. Cortar quadrados com a faca (cerca de 2 cm x 2 cm) e dispor sobre uma assadeira untada e enfarinhada ou forrada com papel manteiga.

4. Colocar um pedacinho de goiabada ou um pouquinho com uma colher – se for cremosa, como a que usei – e unir duas das pontas dos quadrados. é importante colá-las bem uma na outra, senão elas abrem.IMG_20141108_183956

5. Assar por cerca de 15 minutos em forno médio (180ºC). 

E voilà!

Obrigada, mãe! Que bom gosto!

 

%d bloggers like this: